Inês Ferreira- Bratislava

   Acho que todos nós já ouvimos algum dia falar de Erasmus ou conhecemos alguém que já o fez. Para muitos parece quase impossível para outros desperta a curiosidade pela descoberta.  Sinceramente, nunca ambicionei participar no programa Erasmus, contudo no início do ano 2019 surgiu a oportunidade quando o meu grupo de amigas decidiu inscrever-se.  A um dia de terminar as candidaturas para o programa Erasmus decidi inscrever-me para o 1º semestre do meu 3º e último ano (ano letivo 2019/2020) da licenciatura. Todo o processo pré, durante e pós Erasmus é guiado e tratado pelo Gabinete de Relações Internacionais da Universidade (GRI) juntamente com a coordenadora de mobilidade internacional do respetivo curso.  Saíram os resultados e não houve surpresas, entrei eu e mais 3 amigas na Bratislava, capital da Eslováquia.  

  Porquê Eslováquia? A Eslováquia é um país situado bem no centro da Europa e com um custo de vida semelhante ao de Portugal e que, por isso, daria facilmente para poupar algum dinheiro e conseguir viajar. Dia 13 de setembro de 2019, sexta-feira 13, o dia que marcou o início desta aventura além fronteiras. 

   Uma grande dificuldade e em simultâneo um grande desafio foi o facto de, na Bratislava, a maioria dos cidadãos não saber falar inglês, o que exigiu um maior esforço da nossa parte para tentar comunicar com a comunidade local. A nível de ensino, a ideia geral é que em Erasmus é tudo mais facilitado, no entanto e contrariando esta tendência, foi um semestre com uma carga de trabalhos enorme, com testes e exames complicados, que exigiram elevado estudo e empenho, contudo, no final e como sempre o esforço compensou! 

   O melhor de Erasmus para mim foi poder viajar e conhecer tantas realidades e tantas culturas diferentes em tão pouco tempo. Decidir de um dia para o outro qual seria o próximo país, comprar a viagem, pegar na mala e ir à descoberta do “mundo”.  A experiência de estar fora do nosso país, de sair da nossa zona de conforto é enriquecedora tanto a nível pessoal como a nível profissional. Aprendemos a ser completamente autónomos e a saber no sentido literal o que é “desenrascar” seja em que circunstância for. 

   Um dia só te vais arrepender daquilo que não fizeste, portanto agarra a oportunidade e de certeza que não te vais arrepender de teres feito Erasmus.