Dicas para sucesso (quase) garantido na dissertação!

O que é uma dissertação? Por onde devo começar? 

A primeira coisa que deves fazer é perceber quais as opções para concluíres o teu mestrado. Além da dissertação, existem ainda as opções de estágio ou projecto que são normalmente realizados numa organização e são mais “práticos”. Primeira dica – fala com os teus professores e colegas das vantagens e desvantagens de cada um.

Se optares pela dissertação, a primeira coisa que deves fazer é escolher um tema do qual gostes e no qual te vejas a trabalhar, porque vai ser o teu companheiro durante pelo menos um ano. Tal como disse Mark Twain “Find a job you enjoy doing, and you will never have to work a day in your life.”

Após, perceberes a área / tema que te interessa, começa a abordar os professores dessa área (vai ao perfil deles e vê a investigação que eles realizam) para que eles te possam ajudar a enquadrar melhor o tema.

Finalmente, tens de decidir se queres uma dissertação mais teórica ou prática, ou seja, se te vais centrar em rever literatura porque é um tema emergente ou se é algo que pode ser aplicado através de pesquisa quantitativa e qualitativa. Há pessoas que se sentem mais à vontade com abordagens qualitativas e outras com quantitativas. Como já deves ter aprendido, ambas são aceites e quando usadas em conjunto aumentam a notoriedade do teu trabalho. Contudo, lembra-te que tens um tempo limitado e optar apenas por uma abordagem na tua dissertação de mestrado é completamente aceitável. Escolhe a abordagem com a qual te sentes mais confortável e que se aplica ao tema do teu trabalho. A partir daí, agarra-te bem porque vai ser uma viagem emocionante.

Erros comuns que deves evitar.

Querer fazer demasiado. Deves evitar querer fazer uma tese de doutoramento quando apenas estás em mestrado. Querer fazer muita coisa num curto espaço de tempo pode comprometer a qualidade do teu trabalho.

Utilizar fontes não científicas. Assegura-te que a informação que estás a recolher vem de fonte fidedigna. É um erro muito comum começar por procurar em websites ou blogs. Deves procurar utilizar bases de dados científicas (ex. SCOPUS, ISI Web of Science e Google Scholar).

Abranger demasiados tópicos. Contudo, foca a tua pesquisa de acordo com o tema que irás abordar. Isto implica perceber quais as palavras-chave mais adequadas e que são mais vezes citadas; conhecer quais são os autores mais reconhecidos e relevantes na área e quais as revistas científicas onde se publica mais na área.

Não partilhar a investigação. Outro erro comum importante a considerar é que cada pesquisa é única. A dissertação não tem de estar em segredo até ao final. Vai debatendo com pessoas em quem confias o teu trabalho, especialmente com o teu orientador(es).

Dicas para sucesso (quase) garantido

  • Escolher um tema pelo qual tenhas real interesse e que te motive.
  • Escolher orientadores com o qual te sintas à vontade a trabalhar. Contudo, considera que eles são pessoas como tu, com os seus defeitos e qualidades. Sendo assim, escolhe alguém que se adapte ao teu ritmo de trabalho e ao qual também te consigas adaptar.
  • Planear. Se definires um esquema geral e um cronograma do teu trabalho será muito mais fácil fazer o acompanhamento e manteres o foco. Lembra-te, a dissertação é uma maratona e não um sprint de 100 metros.
  • Durante a pesquisa e escrita, podes (e deves) utilizar softwares que te ajudem a gerir as referências que vais utilizar (ex. Mendeley, Endnote), a corrigir erros, caso escrevas em Inglês (ex. Grammarly), a garantir que o formato se mantém ao longo do tempo (ex. Latex).
  • A tua dissertação de mestrado pode ser diferente do formato normal. Podes apostar na elaboração de artigos que se encaixem e que liguem com um fio condutor. Se conseguires ter pelo menos um artigo publicado ou em revisão, tal significa que um especialista na área já deu o seu parecer sobre o teu trabalho. Além disso, apresentares o teu trabalho em conferências científicas só aumenta o valor final do mesmo.
  • Faz uma apresentação que respeite o limite de tempo e que seja agradável de ver e ouvir. Procura explicar cada etapa do teu trabalho, realçando os passos mais pertinentes e que possam ser diferenciadores em comparação ao feito até então.
  • Por fim, acredita em ti e no teu trabalho. Isto não significa seres sempre o dono da razão. Inclusivamente, é bom ires partilhando experiências com outras pessoas até para perceberes onde podes melhorar o teu trabalho (há sempre espaço para melhoria). Contudo, és tu que vais passar pelo menos um ano a trabalhar no tema. No dia da apresentação deves estar confiante do que fizeste.

Com estas dicas terás sucesso quase garantido. Dizemos “quase” porque a parte mais importante depende de ti, do teu esforço e motivação em querer alcançar uns dos grandes objectivos do teu percurso académico.

Tens outras questões que gostavas de ver respondidas? Envia-nos mensagem e tentaremos ajudar-te o melhor que consigamos.

  • Adriana Gradim (adrianacoutinho@ua.pt) – Mestre em Gestão, Bolseira de investigação e Estudante de Doutoramento em Ciências Económicas e Empresariais
  • João Almeida (joaolopesalmeida@ua.pt) – Mestre em Gestão, Bolseiro de investigação e Estudante de Doutoramento em Ciências Económicas e Empresariais

Algumas dicas extra 

  • Para começar vê as propostas disponíveis pelos orientadores e decide com certeza e clareza aquilo que queres, se vais optar por uma dissertação, projeto ou por um estágio.

    Não estejas sempre a pensar que devias ter escolhido uma das outras ao invés da que selecionaste. Isso só te faz perder tempo e cansa-te psicologicamente!

  • Pensa num tema por si e faz um esboço da ideia

    Tem consciência de que a ideia vai assumir imensas formas e que tens de estar preparado para conseguir adaptar e alterar caminhos. 

  • Não percas demasiado tempo a escolher o tema, principalmente quando estás dividido entre 2. Escolhe e avança!

  • Não esperes que o orientador decida os objetivos e o caminho que queres para a tese

    O orientador ajuda, auxilia e tem a plena noção do que faz sentido e do que não faz. É quem nos mantém dentro das barreiras de limite. Mas não faz a tese por nós .

  • Tem o controlo da tua própria tese e daquilo que queremos para ela

    Quanto mais isto acontecer, mais rápido se entrega, mais completa e lógica ela fica e mais realizados ficamos no fim com o nosso trabalho!

  • Não atrases a tese para a época especial, sem motivo

    É muito importante teres um plano/esquema de calendário temporal do tempo que cada fase vai demorar, para delineares metas e prazos a cumprir. Gestão de tempo é crucial!

  • Não percas o contacto com o teu orientador. Tenta mantê-lo a par com regularidade daquilo que estás a fazer.

     Com isso terás duas vantagens principais:

    • O teu orientador nunca se esquece do teu trabalho e sempre que lhe mostras o que avançaste ele não tem que recomeçar, e sabe sempre o ponto de situação e ajuda-te de forma produtiva
    • Faz com que tu sejas exigente contigo e não te desleixes no trabalho que tens para fazer

Francisca Quelhas – Licenciada em Gestão e estudante de mestrado em Gestão na Universidade de Aveiro